sábado, 7 de junho de 2014

O ser perfeito ( PRIMEIRO ATO ) parte 4

Primeiro domingo do ano....
Por volta das doze horas, em meio ao acostamento de uma estrada cercada pela mata , um jovem casal namora ardentemente próximos ao veiculo do rapaz... ( Um modelo katett preto ) ...que muito eufórico, avista uma pequena flor ao chão e a apanha, depois se ajoelha de junto a namora... e quando ia declarar algo, a garota recebe um golpe violenta na cabeça caindo de jundo ao carro, assustado o garoto olha na direção de onde veio o golpe e avista um senhor de terno, magro, alto, sujo e ensanguentado com um tronco de madeira na mão alem de um sembrante de muito pavor e medo; nervoso o  rapaz se levanta e começa a gritar com o homem:
- Seu maldito!.... Maldito, maldito..... o que pensa que está fazendo?
Com um olhar perdido, o agressor apenas pede a chave do carro, mais o rapaz nega dizendo:
- Nunca vou lhe entregar.... seu maluco ladrãozinho... E não pense que vou deixar barato o que você fez com minha namorada!
- Não discuta e passe logo essa chave antes que eles cheguem!
O jovem se baixa apanha uma pedra e pergunta:
- Eles quem?
- Devoradores de homens!
- Hã!... Não me venha com maluquices seu ladrãozinho de merda!
Furioso, o garoto se prepara para atirar a pedra mais o agressor é mais rápido e arremessa primeiro  o tronco fortemente na direção da cabeça do rapaz, o acertando no meio da testa onde com isso, o derruba no chão o deixando atordoado, aproveitando-se do momento o homem revista o rapaz a procura da chave do carro e ao encontra-la sorri timidamente dizendo em seguida:
- Ousa garoto.... socorre sua namoradinha e fuga antes que aquelas aberrações os encontre.
Gemendo o jovem apanha uma outra pedra ao seu lado e tentando se levantar o questiona:
- Mais do que você está falando?... seu safado!
O agressor já de junto ao veiculo e abrindo a porta do mesmo responde:
- Fuja.... se não sentirá as piores dores do mundo.
Já de pé, mais muito tondo por causa da pancada o jovem atira a pedra contra aquele senhor, só que não o acerta, então ele começa a gritar por socorro enquanto isso, o cidadão que o agrediu liga o carro e rapidamente parte pela estrada.
Muito irritado o rapaz de dezessete anos, pele parda, alto e bem musculoso chamado Augusto; fica a xingar muito quando ouve o gemido de sua namora, uma bela jovem de dezesseis anos, magra alta e loira chamada Fernanda; ainda meio zonzo ele corre até o local onde está sua garota caída, em se agacha e a apanha, a levantando pelo tronco e depois; a segura por baixo da nuca e começa a dizer:
- Amor.... amor.... como você está?... fale comigo!
Gemendo muito, a jovem olha para o namorado e diz:
- Ai.... ai... Augusto.... o que houve?.... Quem me bateu na cabeça?
- Um bandido safado!.... Ele também me acertou na testa e ainda levou meu carro!... Mais o que quero saber agora é da sua situação!.... Então me diga... Tudo bem?
- É... apesar da violência da pancada e das dores que estou sentido na cabeça.... acho que vou.... viver!
Quem bom Fernanda.... Deixe-me ajuda-lá a levantar.
O rapaz levanta sua namorada que se escorá nele, apoiando seu braço por trás de pescoço dele, em seguida os dois, com dificuldade, começam a caminhar na direção da estrada quando um horrível ruido assusta o casal, o som se repede por mais duas vezes cada vez mais perto do local onde estão.
- Augusto.... que som apavorante é esse?
- Não faço ideia Fernanda.... nunca ouvi algo tão amedrontante antes!
O barulho volta, e ainda mais assustador, já com os olhos repletos de lágrimas a garota diz bem alto e amedrontada:
- Augusto.... pelo amor de Deus!.... Que droga de barulho é esse?
Com medo tão quanto a namora, ele responde novamente que não faz ideia quando de repente se lembra das palavras do homem que o atacou; e de forma de puro pavor olha para Fernanda dizendo!
- Será que é....
- Que é o que Augusto? - Grita a moça chorando muito.
- Os devoradores de homens de aquele bandido disse!
CONTINUA...